sábado, 7 de janeiro de 2017

Os copos

Os copos, sobre a mesa,
nem sempre representam os amigos que você tem.

JSC

Vi...

Vi uma mulher
Vi uma mulher bonita
VI uma mulher bonita malhada
Vi apenas uma mulher...
Respeito é tudo que elas querem.

                                                                                                                                           JSC

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

É engraçado

É engraçado que todos sabem de tudo, mas se tudo dá errado, todos não sabem de nada.

                                                                                                                             JSC

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Vida

Há tempo
em que queremos a
cocada, e a vida
nos dá o coco e
o açúcar.


JSC

domingo, 4 de dezembro de 2016

No psicóligo

Uma mulher vai ao psicólogo. Após vários minutos explicando seu problema no casamento...
- Então, doutor, o que faço para surpreender meu marido na cama?
- Bom... enquanto ele estiver na cama dormindo, levante-se antes, prepare o café dele. Com certeza, ele vai se surpreender.
(JSC)

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Usos da Palavra A

 Relembrando, a forma verbal ‘há’ indica tempo passado, enquanto a preposição ‘a’ indica tempo futuro, como se vê em “Há dois anos que ele não tira férias” e “Daqui a dez minutos farei um lanche”.
A palavra ‘a’ pode também funcionar como preposição, quando liga dois termos, estabelecendo uma relação de dependência entre eles. Nesse caso o “a” permanece invariável.
  • Fui a São Paulo.
  • Entreguei comunicados a todos os alunos.
A preposição ‘a’ pode se fundir com o artigo ‘a’, o que resultará em uma crase, indicada pelo acento grave: à (veja mais detalhes sobre esse caso específico em https://www.infoenem.com.br/entendendo-o-conceito-de-crase/ ).
Pronome Pessoal Oblíquo é outra das funções do ‘a’. Nessa situação, ele serve para substituir um nome na frase.
  • Eu encontrei Marta na escola.
  • Eu encontrei-a na escola.
Ainda como pronome, mas agora demonstrativo, o ‘a’ aparece antecedendo o que e pode ser substituídos por aquele(s), aquela(s), aquilo.
  • Não vi o que ele fez. (Não vi aquilo que ele fez.)
  • Essa obra não é a que te indiquei. (Essa obra não é aquela que te indiquei.)
Como artigo, o ‘a’ é uma palavra variável que se coloca antes do substantivo para indicar, ao mesmo tempo, seu gênero e seu número, além de determiná-lo.
  • A professora corrigiu as provas.
O artigo também atua distinguindo os homônimos e definindo seu significado, como em:
  • a rádio (emissora) /o rádio (equipamento)
  • a cabeça (parte do corpo) / o cabeça (o líder)

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Uso da vírgula

Se você não quiser, ou não conseguir, ‘decorar’ todos os casos, ao menos tente lembrar-se desta dica simples:
  • 1 vírgula – separa elementos;
  • 2 vírgulas – isolam elementos
Na primeira situação podemos ter a separação de itens de uma sequência, do vocativo ou de um adjunto adnominal deslocado para o início da frase ou ainda indicando a elipse (supressão) de um termo, como se verifica a seguir:
  1. Maria, José, Pedro e Antônio são irmãos. (Maria, José, Pedro e Antônio formam um sujeito composto de 4 núcleos e as vírgulas separam cada núcleo)
  2. No bolo eu utilizei farinha de trigo, açúcar refinado, ovos frescos e fermento em pó. (Agora temosfarinha de trigo, açúcar refinado, ovos frescos e fermento em pó funcionando como objetos diretos do verbo utilizar)
  3. Os alunos entraram na sala, ocuparam seus lugares, abriram os livros e começaram a leitura. (Aqui os elementos são mais complexos: cada uma das orações é um item, separado do seguinte por meio da vírgula, lembrando que cada verbo com sentido próprio é o ponto central de uma oração. Assim, se há 4 verbos, consequentemente há na frase 4 orações.)
  4. Meninos, eu vi!” (verso de I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias) (Meninos funciona como vocativo – não é sujeito, o sujeito é o pronome ‘eu’! – e tal termo sempre fica isolado dentro dos enunciados)
  5. Na semana passada, a empresa anunciou novas contratações. (Na semana passada funciona como circunstância de tempo, exercendo a função de adjunto adverbial de tempo e seu lugar, na ordem direta, é no final da frase)
  6. Eu gosto de Chico Buarque e meu irmão, de Caetano. (meu irmão gosta de Caetano – não precisamos repetir o verbo, mas precisamos marcar a elipse com a vírgula: ela fica no lugar do verbo)
Os elementos de uma sequência, os quais ficarão separados por vírgulas, podem ser simples vocábulos (exemploa), sintagmas nominais (estruturas com mais de uma palavra, que apresentam um significado, mas não têm verbo – o núcleo é um substantivo) (exemplo b) ou orações (exemplo c).
Na segunda situação (um par de vírgulas) podemos ter uma informação deslocada de seu lugar na ordem direta da frase (exemplo 1), uma informação complementar (uma explicação ou esclarecimento não essencial para o sentido da frase – exemplos 2 e 3) ou ainda um termo que não faz parte da mensagem, como o vocativo (exemplo 4). Em qualquer um desses casos, o termo que está entre as vírgulas pode ser retirado da frase ou ser transferido para outro lugar do enunciado, sem alteração no sentido da mensagem. Observe os exemplos:
  1. Posso conseguir, se eu obtiver uma boa nota no Enem, uma vaga na carreira dos meus sonhos. (oração adverbial intercalada na oração principal, fora da ordem direta portanto)
  2. Machado de Assis, autor de “Dom Casmurro”, foi o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras. (A expressão autor de “Dom Casmurro” funciona como aposto, acrescentando uma informação relativa ao termo anterior, não essencial à frase – sua retirada não altera o sentido)
  3. Os ornitorrincos, que podem ser encontrados na Oceania, são mamíferos. (é uma oração adjetiva explicativa)
  4. “O Brasil, senhores, sois vós” (Rui Barbosa, em discurso aos formandos de Direito)
Nos casos 1 e 4 as expressões em destaque podem mudar de lugar sem alteração de sentido e em todas as frases (de1 a 4) podemos simplesmente retirar os trechos entre vírgulas e o significado do enunciado permanecerá inalterado.

InfoEnem