quarta-feira, 31 de julho de 2013

ENEM - DICA DE FÍSICA

Para a maioria dos vestibulandos, a Física sempre foi apontada como um “bicho papão” entre as demais disciplinas. E de certo modo, esses estudantes tinham uma boa dose de razão, pois os vestibulares tradicionais sempre cobraram, além de muito conhecimento, um bocado de conta. Isso, claro, deixava as questões de física um tanto quanto complexas.
Mas uma coisa somos obrigados admitir: o novo modelo do Enem tem mudado, pelo menos em parte, essas características. Não que as contas acabaram. Mas a abordagem, o foco e a matemática exigida são, claramente, diferentes.
Para ilustrar essa situação, vamos usar como exemplo uma questão de física, sobre hidrostática, que apareceu no Enem do ano passado. Primeiramente vamos dar uma olhada no enunciado da questão.
_________________________
Questão: O manual que acompanha uma ducha higiênica informa que a pressão mínima da água para o seu funcionamento apropriado é de 20 kPa. A figura mostra a instalação hidráulica com a caixa d’água e o cano ao qual deve ser conectada a ducha.

O valor da pressão da água na ducha está associado à altura
a) h1.                        b) h2.                         c) h3.                      d) h4.                    e) h5.
_________________________

Agora,  antes de falarmos sobre dicas e orientações de como você deve encarar questões de hidrostática no Enem, vamos apresentar a solução feita pelos professores Fernando Buglia e Felipe Almendros, ambos formados na Unicamp e responsáveis por todas as questões de física das apostilas do infoEnem.

Resolução e comentários:
Alternativa C
Para esta questão vamos lembrar dois conceitos a respeito da hidrostática:
Teorema de Stevin:
Onde as grandezas envolvidas são:
Vasos comunicantes:
A figura abaixo ilustra que quando líquidos, confinados em tubos, independente de suas formas, que se comunicam pela base, terão a mesma altura por estarem submetidos à mesma pressão.
Voltando à questão e ao esquema apresentado, a altura a ser considerada, de acordo com o princípio dos vasos comunicantes, é aquela em relação à parte superior do sifão. Logo, podemos descartar as alternativas D e E que tomam a altura em relação à base do sifão. Agora, através do Teorema de Stevin, a pressão na saída da água na ducha está associada com a altura da coluna de fluido, no caso a água. Assim, a altura que representa corretamente a altura da coluna de líquido é a altura h3.
Comentário: Através dos conceitos apresentados o aluno não deve fazer confusão com as alturas h1 e h5. A altura h1 considera corretamente o limite inferior, porém erra na marcação do limite superior. Já a altura h5 acontece justamente o oposto, o limite inferior está errado e o limite superior está correto.
Conteúdo envolvido: Teorema Fundamental da Hidrostática (de Stevin).

*Essa resolução foi retirada das Apostilas preparatórias para o Enem 2013, que trazem as últimas 4 edições do exame resolvidas e comentadas por professores altamente gabaritados e experientes.

terça-feira, 30 de julho de 2013

VERSOS LIVRES : TESTE SEUS ESTUDOS PARA O ENEM

 Em diversos momentos da vida, é necessário refletir se o que estamos fazendo está certo ou errado, bom ou ruim, eficiente ou ineficaz. Ess...

sexta-feira, 26 de julho de 2013

AS ORIGENS DE "OK"

As funções gramaticais de O.K. também atestam a sua versatilidade. Num momento ele é um adjetivo que significa bom (He made an O.K. decision = Tomou um boa decisão), no outro significa aceitávelmais ou menos (The play is O.K., but I prefer the book = A peça é aceitável mas prefiro o livro). Quando você menos espera, O.K. vira verbo (Can you O.K. this for me, please? = Pode aprovar isto para mim, por favor?) ou substantivo (He gave his O.K. = Ele deu sua aprovação), ou interjeição (O.K., I hear you! = ‘Tá bom, estou ouvindo!) ou advérbio (He did O.K. = Ele deu-se bem). Mas tem mais. Existem nuanças de significado que dependem da entonação. Pode ser uma simples concordância (“Shall we go?” — “O.K.” = “Vamos?” — “O.K.”) ou expressão de grande entusiasmo (“O.K.!” = “Maravilha!”), como pode ser uma expressão sem significado especial (“O.K., let’s begin” = Tudo bem, vamos começar).O.K. também já deu filhote, embora com significado mais limitado: okey-doke (ou hokey-dokey, okie-doke e outras variações) que também quer dizer simtudo bem, e, claro, O.K.
origens de ok O Inglês Americanizado: as origens de O.K.
O professor Allen Walker Read, da Universidade de Columbia, dedicou-se a investigar as origens de O.K., durante vinte anos, numa tentativa de pôr fim às controvérsias. As possíveis origens da palavra eram tantas e tão variadas que algumas beiravam a idiotice. Exemplos: O.K. seria a abreviação da expressão only kissing (apenas beijando); a expressão teria sido usada pelo quase analfabeto presidente Andrew Jackson, que aparece nas cédulas de 20 dólares, que escrevia O.K. nos documentos para indicar sua aprovação quando estava tudo correto – para ele, a expressão por extenso seria oll korrect em vez de all correct. Outros diziam que O.K. vinha do nome de um biscoito muito popular na época, Orrin Kendall crackers, ou que vinha de okeh, da língua indígena choctaw, ou que era derivada da alcunha Old Kinderhook, do presidente Martin Van Buren, candidato à reeleição em 1840.
Graças ao professor Read, sabemos hoje que O.K. apareceu pela primeira vez na imprensa no jornal Boston Morning Post, no dia 23 de Março de 1839. Naquela época era moda entre os jovens grã-finos de Boston e Nova Iorque fazerem abreviaturas jocosas baseadas nos erros dos menos letrados. O.W. era a abreviatura de oll wright (em vez de all right = tudo bem); K.Y. no lugar de know yuse (em vez de no use = não adianta); O.K. em vez de oll korrect (all correct = tudo certo). Provavelmente, a coisa teria morrido por ali mesmo, como é normalmente o caso quando se trata de manias desse tipo. Mas é justamente aí que entra a campanha política para a reeleição de Martin Van Buren, apelidado de Old Kinderhook (Kinderhook era a sua cidade natal no estado de Nova Iorque). O partido democrata organizou o O.K. Club para promover o seu candidato e, da noite para o dia, O.K. virou chavão, bordão, verbo, adjetivo, enfim, tudo o que ainda é hoje. Infelizmente para os democratas, o O.K. Club não era tão O.K. assim – Van Buren foi derrotado por William Harrison.
Capa do livro Once Upon a Time um Inglês do autor John D. Godinho 2 O Inglês Americanizado: as origens de O.K.
- See more at: http://www.inglesnosupermercado.com.br/o-ingles-americanizado-as-origens-de-o-k/#sthash.vQei03IU.dpuf

quinta-feira, 25 de julho de 2013

REDAÇÃO ENEM - ANÁLISE

Dando prosseguimento à nossa série de análises sobre os temas de redação do ENEM, hoje escreveremos sobre a prova de 1999 cujo tema foi “Cidadania e Participação Social” e que, quatorze ano depois, continua, e muito, atual, já que o nosso país vive um momento importante e fundamental, justamente, de cidadania, principalmente de cidadania jovem, através das manifestações do mês de junho que levaram, em todo o Brasil, milhões às ruas através da organização de passeatas e atos por meio das redes sociais e demais grupos sociais de todos os tipos.
A proposta apresentava-se já na primeira página da prova e do seguinte modo:
(HENFIL. Fradim. Ed. Codecri, 1997, nº 20.)
O encontro “Vem ser cidadão” reuniu 380 jovens de 13 Estados, em Faxinal do Céu (PR). Eles foram trocar experiências sobre o chamado protagonismo juvenil.
O termo pode até parecer feio, mas essas duas palavras significam que o jovem não precisa de adulto para encontrar o seu lugar e a sua forma de intervir na sociedade. Ele pode ser protagonista.
([Adaptado de] ”Para quem se revolta e quer agir”, Folha de S. Paulo, 16/11/1998

  • Eu não sinto vergonha de ser brasileiro. Eu sinto muito orgulho. Mas eu sinto vergonha por existirem muitas pessoas acomodadas. A realidade está nua e crua. (…) Tem de parar com o comodismo. Não dá para passar e ver uma criança na rua e achar que não é problema seu. (E.M.O.S., 18 anos, Minas Gerais)
  • A maior dica é querer fazer. Se você é acomodado, fica esperando cair no colo, não vai acontecer nada. Existe muita coisa para fazer. Mas primeiro você precisa se interessar. (C.S.Jr., 16 anos, Paraná)
  • Ser cidadão não é só conhecer os seus direitos. É participar, ser dinâmico na sua escola, no seu bairro. (H.A., 19 anos, Amazonas)
(Depoimentos extraídos de “Para quem se revolta e quer agir”, Folha de S. Paulo, 16/11/1998)
Com base na leitura dos quadrinhos e depoimentos, redija um texto em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, sobre o tema: Cidadania e participação social.
Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos ao longo de sua formação. Depois deselecionar, organizar e relacionar os argumentos, fatos e opiniões apresentados em defesa de seu ponto de vista, elabore uma proposta de ação social.
A redação deverá ser apresentada a tinta na cor azul ou preta e desenvolvida na folha grampeada ao Cartão-Resposta. Você poderá utilizar a última página deste Caderno de Questões para rascunho.

Podemos ver que, já na segunda proposta da história do ENEM, a banca elaboradora trouxe um texto multimodal, o cartum de Henfil com a personagem Graúna que, interpelada pela outra personagem que afirma que o seu sonho de voar é impossível porque ela pertence a uma geração de graúnas que já nasceu sem asas, quando esta vai embora, abre suas lindas e enormes asas e fecha a historinha dizendo que “a juventude é uma caixinha de segredos…”.
Através da interpretação deste cartum, podemos inferir algumas outras coisas (faça esse exercício você também!): abrindo suas asas, a graúna mostra a força oculta dos jovens, o seu poder de alçar longos voos e, consequentemente, o de conseguir aquilo que deseja, que sonha, já que a juventude é a fase da vida dos sonhos, das conquistas e/ou do seu início. Também podemos afirmar que a “lição de moral” do cartum é o de nunca subestimar alguém pela sua idade e/ou característica física (no caso da graúna, parecer que não tem asas) e de que jamais devemos dizer a ninguém que o seu sonho é irrealizável, afinal, quem somos nós para isso?
Em seguida, a proposta de redação traz aos candidatos do ENEM 1999 um pequeno trecho de uma notícia publicada pela Folha de São Paulo que aborda o encontro “Vem ser cidadão” que reuniu, no Paraná, 380 jovens de 13 estados brasileiros que discutiram o protagonismo juvenil, ou seja, o papel principal, de destaque, de protagonista do jovem brasileiro na década de 90 que não precisa do adulto, do mais velho para encontrar seu lugar e intervir na sociedade do modo como ele acha melhor, o que vimos há um mês atrás, em 2013, nas ruas de todo o país.
Aliás, os jovens manifestantes de junho de 2013 chamaram os adultos, os mais velhos para os atos, para as passeatas e de uma certa forma renovaram a esperança e a luta pelos direitos básicos de todo nós, cidadãos, e contra os impostos e aumentos abusivos, corrupção, preconceitos, discriminações etc.
Logo abaixo da notícia, três depoimentos de jovens participantes do encontro mencionado completam a coletânea textual da prova de redação do ENEM 1999. O primeiro ressalta a importância de a população não acomodar-se e não acostumar-se com os problemas sociais, pensando que não é com ela, que não tem nada a ver; o segundo depoimento também vai no viés do comodismo, afirmando que a vontade move as pessoas e, finalmente, o terceiro, enfatiza não apenas o saber, mas também o participar, o engajamento, desde de atividades em seu bairro até em seu país.
Assim, a redação do ENEM 1999 especifica o tema cidadania e participação social do jovem, já que priorizou o papel protagonista que a juventude pode e deve ter em sua comunidade. Portanto, escrever a respeito da cidadania e participação social de todo e qualquer cidadão, de qualquer faixa etária, tangencia o tema.
A coletânea textual mostra o lado positivo da atuação dos jovens na sociedade, mostra que é possível (basta querer) que toda a juventude atue em projetos dos mais diversos segmentos que visem o bem estar do povo, a luta pelos direitos civis como saúde, educação, moradia, transporte, alimentação etc e contra a corrupção, os desvios de verbas públicas, o aumento abusivo de impostos e taxas dentre tantas outras causas importantes que o candidato pudesse se lembrar. Assim, escrever uma dissertação-argumentativa defendendo a participação juvenil na sociedade mostrando, através de exemplos de práticas de cidadania (adquiridos ao longo da formação, da vida do candidato) era um dos caminhos para desenvolver a redação do ENEM 1999.
Outra opção seria abordar o contrário, a ausência da participação social da sociedade como um todo mostrando como os jovens, se bem estimulados, motivados e orientados podem mudar este cenário, já que, como foi colocado por Henfil, a juventude é uma caixinha de segredos e pode surpreender, como supreendeu na campanha das Diretas Já!, no impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello e, agora, nas mais recentes manifestações.
A questão apontada pela notícia, na coletânea, de que os jovens podem ser protagonistas sem os adultos também deve ser levada em consideração, já que há pais que não permitem ou não engajam seus filhos politicamente falando por inúmeras razões e jovens que acomodam-se nesta situação.
No enunciado desta proposta, diferentemente da anterior, a banca elaboradora do ENEM cita a elaboração de uma proposta de ação social (5ª competência) acerca do tema e esta poderia indicar a “caixinha de segredos” de graúna como uma carta na manga pela qual a juventude deve mostrar a que veio e supreender os adultos, demonstrando sua força, seu alcance, potencial e desejo de participação, de mudança, reafirmando que pode e deve ser protagonista, sem ninguém a impedindo.
Concluindo, podemos ver que a proposta do ENEM 1999 é mais restrita em relação ao tema do que a do ENEM 1998, que se tratava de algo mais genérico e até um pouco filosófico (Clique aqui e leia o artigo da semana passada). Esta prova já traz, mais claramente e objetivamente, duas competências avaliadas: selecionar, organizar e relacionar os argumentos, fatos e opiniões em defesa do seu ponto de vista e elaborar uma proposta de ação social, as quais não estavam presentes na prova anterior.
Na próxima semana, abordaremos a proposta de redação do ENEM 2000: Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio social? Que tal se você já der uma olhada na proposta e já ir pensando nas possibilidades de desenvolvimento? Mas não vale procurar comentários já prontos; o importante é a reflexão! O ENEM 2000 pode ser visualizado emhttp://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/provas/2000/2000_amarela.pdf.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

FUTEBOL (SOCCER) - EXPRESSÕES E VOCABULÁRIO

Torcer é “to support”, então para perguntar “Você torce para que time?” você deve dizer “What team do you support?” (British English) ou “What team do you cheer/root for?” (American English). Vamos conhecer algumas perguntas úteis:
  • Como está o placar? - What’s the score?
  • Quem está ganhando? - Who’s winning?
  • Está 4 a 0 para o Barcelona. – It’s 4 to 0, Barcelona.
  • Deu zebra, o Íbis ganhou. – It was an upset, Íbis won.
  • Eles ganharam nos pênaltis. - They won by penalties.
Agora vamos conhecer um pouco o vocabulário do futebol (soccer).
Apito – whistle
Arremesso lateral – throw in
Banco – the bench
Convocação – Call-up
Cartão vermelho – red card
Chutar – to shoot
Chuteira – cleated shoes
Cruzamento – cross
Descontos – injury time
Empate – draw
Escanteio – corner, corner kick
Fã – fan (também pode ser ventilador)
Gol – goal
Gol de empate – equaliser
Goleiro – goalkeeper
Impedimento – offside
Lateral direito right back
Líbero – sweeper
Linha do meio de campo – halfway line
Mão na bola – handball
Marca do pênalti – penalty spot
Meio-campista – midfield, midfielder
Multidão – crowd
Passar – pass
Perder – to lose
Ponta-direita – right wing
Quarto zagueiro – left back
Reserva – substitute
Tiro livre – free kick
Travessão – crossbar
Zagueiro – defender, back

(englishexperts.com.br)

segunda-feira, 22 de julho de 2013

ENEM - GEOGRAFIA


Posted: 22 Jul 2013 08:37 AM PDT
No primeiro dia de prova do Enem, os estudantes resolvem, além de ciências da natureza, questões das ciências humanas e suas tecnologias. E quando analisamos os possíveis assuntos de ciências humanas (basicamente das disciplinas de história e Geografia), os problemas ambientais são presenças “mais que garantidas” na prova.
E você, caro estudante/leitor, está realmente preparado para não cometer equívocos e acertar os exercícios que certamente aparecerão sobre esses assuntos?
Aparentemente sim, não é? Afinal, esses assuntos acabam não assustando muito os candidatos, principalmente por serem bastante comentados na mídia e em salas de aula.
E é justamente nesse ponto que mora o perigo! A autoconfiança nas questões relacionadas com problemas ambientais pode levar a uma leitura desatenta do enunciado e, na hora de comparar com gabarito oficial, levar o estudante à uma (desagradável) surpresa! “Não acredito! Errei por besteira!” Infelizmente esses comentários são extremamente comuns após as provas e levam a perda de pontos importantíssimos.
Vamos usar como exemplo uma questão que apareceu no Enem de 2011 para discorrer um pouco mais de como você deve agir quando encontrar uma questão que fale sobre problemas ambientais na prova de ciências humanas e suas tecnologias.
_________________________
Um dos principais objetivos de se dar continuidade às pesquisas em erosão dos solos é o de procurar resolver os problemas oriundos desse processo, que, em última análise, geram uma série de impactos ambientais. Além disso, para a adoção de técnicas de conservação dos solos, é preciso conhecer como a água executa seu trabalho de remoção, transporte e deposição de sedimentos. A erosão causa, quase sempre, uma série de problemas ambientais, em nível local ou até mesmo em grande áreas.
GUERRA. A. J. T. Processos erosivos nas encostas. In: Guerra. A J. T. Cunha, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2007 (adaptado).
A preservação do solo, principalmente em áreas de encostas, pode ser uma solução para evitar catástrofes em função da intensidade de fluxo hídrico. A prática humana que segue no caminho contrário a essa solução é
A) a aração.             B) o terraceamento.                 C) o pousio.                D) a drenagem.               E) o desmatamento.
_________________________
Antes de falarmos um poucos mais sobre as estratégias para não cometer erros infantis nesse tipo de questão, vamos ver a resolução e os comentários do Professor Bruno Picchi referente ao exemplo acima.

Resolução e comentários:
Alternativa E
Problemas oriundos da degradação dos solos não são recentes, pois mesmo antes da intensa ação humana tais problemas já existiam, sendo causados exclusivamente por elementos naturais. Entretanto, atualmente, a preocupação em relação à degradação dos solos tem sido cada vez mais eminente, tendo em vista a intensiva e nociva ação humana. E uma das ações antrópicas mais nocivas é sem dúvida o grande avanço do desmatamento, provocados principalmente com o intuito de se obter propriedades voltadas ao plantio de produtos agrícolas ou de pastagens.
A retirada da vegetação natural gera uma série de problemas ambientais, pois é a vegetação a principal responsável pela diminuição do impacto direto das gotas de água provindas das chuvas no solo, causando o atrito direto e consequentemente a destruição da camada superior da superfície.
Além disso, a vegetação é responsável também por não permitir que toda a água provinda das chuvas escoe na superfície, e boa parte seja infiltrada no solo, evitando o carregamento excessivo de partículas que podem causar processos erosivos extremamente grandes, gerando grandes impactos ambientais e socioeconômicos de difícil solução. Preservar áreas florestais e investir em reflorestamento é uma das maneiras de se minimizar a incidência desses impactos.

*Essa resolução foi retirada das Apostilas preparatórias para o Enem 2013, que trazem as últimas 4 edições do exame resolvidas e comentadas pelos melhores professores do país. Clique aqui para adquirir suas apostilas.
Dois pontos aqui merecem atenção:
  1. Fique atento para perceber que as questões sobre problemas ambientais dentro da prova de ciências humanas sempre irão ressaltar a interferência humana nesses problemas. Tanto interferências negativas como positivas, provenientes principalmente do progresso e expansão das cidades. Questões de problemas ambientais que exigem dos candidatos conhecimentos mais técnicos (como conhecer uma reação química) geralmente estarão inseridas na prova de ciências da natureza.
  2. Como sempre, muita atenção na leitura. Neste exemplo, o enunciado dá uma dica escandalosa! “A preservação do solo, principalmente em áreas de encostas, pode ser uma solução para evitar catástrofes em função da intensidade de fluxo hídrico.” Qual interferência humana vai contra essa solução? Claro que é o desmatamento!
Portanto, para se dar bem em questões referentes a problemas ambientais, é necessário conhecer a problemática (estude todas que puder!), conseguir entender como o homem interfere (de maneira positiva ou negativa) na situação e NUNCA subestimar a questão. Quando você lê atentamente o texto, além de minimizar (e muito!) a chance de errar por besteiras, muitas vezes irá “pescar” dicas no próprio enunciado.

sábado, 20 de julho de 2013

6 DICAS SOBRE COMO ESCREVER BEM

1 – Em circunstância alguma utilize um vocábulo extenso onde um reduzido soluciona. Ou seja, não use uma palavra longa se uma curta resolve o problema.
2 – Se, por algum acaso, for possível cortar, eliminar, extirpar uma palavra, não se dê de rogado: elimine-a de uma vez por todas. Em outras palavras, desapareça com o desnecessário.
3 – A voz passiva não deve ser utilizada quando a voz ativa puder ser escrita. Nada de “aquela xícara será comprada por ele.” Usando a voz ativa, fica bem mais clara a sentença: “Ele comprará aquela xícara.”
4 – Nunca use uma metáfora ou outra figura de linguagem que você está acostumado a ver cotidianamente. Afinal, elas já perderam a força e possivelmente a graça.
5 – Não empregue um calão tecnicista quando tiver o arbítrio de elucubrar uma elocução de uso anfêmero. Ou seja, não use um jargão quando você puder imaginar uma palavra do cotidiano. E por último:
6 – Quebre qualquer uma dessas regras antes de escrever besteira.



OS SOTAQUES NA LÍNGUA PORTUGUESA

 Direto de Portugal O nosso idioma nasceu quando os portugueses chegaram ao Brasil, na época do descobrimento, em 1500. Ao longo dos anos...

quinta-feira, 18 de julho de 2013

VERSOS LIVRES : VESTIBULAR E ENEM

Vestibular e Enem. Essas palavras causam calafrio em qualquer estudante! E não é para menos. Todas as possibilidades que o novo modelo do...

EXPRESSÕES COM RED (VERMELHO)

Red (vermelho)
- Paint the town in red = se divertir para valer por um breve período, cair na gandaia.
Ex.: "Well, now that we´ve finished our job, I think we should just go and paint the town red."
(Bem, agora que já terminamos nosso trabalho, acho que podemos cair na gandaia.)

- Red hot = alguma coisa muito quente, quentíssima.
Ex.: "The wheel of my car was red hot after I had left it parked by the beach."
(O volante do meu carro ficou quentíssimo, depois que eu estacionei na praia.)

- Catch someone red-handed = pegar alguém em flagrante.
Ex.: "I arrived at work earlier and caught my colleague red-handed stealing stationary."
(Cheguei cedo no trabalho e peguei meu colega roubando material de escritório.)

- Give someone the red-carpet treatment = tratar alguém muito bem, estender o tapete vermelho (aqui há semelhança entre as expressões inglesa e portuguesa).
Ex.: "Our manager was given the red-carpet treatment at a convention in Los Angeles last year."
(Nosso gerente foi muito bem tratado na convenção em Los Angeles no ano passado.)


Fisk

EXPRESSÕES COM GOD (DEUS)

Para começar, ”Deus” em inglês é ”God”, como muitos já devem saber – atenção à pronúncia, observem que o “o” em “God” soa como o “o” em “dot”. Para dizer "Oh, meu Deus : Oh my God"– frequentemente abreviado como “OMG” e muito comum na Internet; você pode dizer “Graças a Deus" usando “thank God”; "se Deus quiser" é "God willing" em inglês; “God bless you” equivale a “Deus abençõe”. Quando alguém espirra (sneeze), você pode dizer ”God bless you!” equivalendo ao nosso “saúde!” em português. Este hábito parece ter tido início na idade média e não se sabe ao certo o motivo, dizem que pode estar relacionado a problemas como a peste bubônica. Acreditava-se que o espirro era um dos sintomas da doença, dizer “God bless you!” após um espirro seria uma forma de ajudar a combatê-la.
Confiram agora alguns exemplos de uso com “thank God” (graças a Deus).
  • Yes, thank God! [Sim, graças a Deus! / Graças a Deus que sim!]
  • No, thank God! [Não, graças a Deus! / Graças a Deus que não!]
  • Thank God it’s Friday! [Graças a Deus que hoje é sexta-feira.]
  • Thank God it’s over. [Graças a Deus que acabou.]
  • Thank God you’re here. [Graças a Deus que você está aqui.]
A expressão ”goodbye”, que é bastante comum hoje em dia, deriva da expressão  "God be with  ye(you) atualemente. Com o passar do tempo “God be with ye” resultou em “goodbye” – em tempos antigos o “you” era “ye“. O “good” em “goodbye” é um eufemismo para “God“, a fim de não se tomar o nome de Deus em vão, então, usa-se “good” para evitar o “God“.
Para dizer "Deus existe", usamos expressões "there is God" ou simplesmente “God exists”. “God almighty” equivale a “Deus todo poderoso”. Se você está curioso para saber como se diz "Deus me livre!", então aí, basta usar "God forbid!". “A vontade de Deus” em inglês é “the will of God“; “the word of God” é traduzido como “a palavra de Deus”; “o filho de Deus” pode ser dito com “the Son of God“; use “believe in God” para dizer “acreditar em Deus”; “For God’s sake” é o nosso “pelo amor de Deus”. Faça uso de “it’s in God’s hands” quando quiser dizer “está nas mãos de Deus”, “já entreguei para Deus” ou ainda “seja o que Deus quiser”. Para dizer “só Deus sabe”, utilize “God only knows”; "que Deus te ouça" em inglês é "from your lips to God's  ears" .

englishexperts.com.br

quarta-feira, 17 de julho de 2013

EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS

As expressões idiomáticas, em inglês, são chamadas de “idiomatic expressions” ou de “idioms”. Como em português, são expressões que utilizam as palavras em sentido figurado. Há várias dessas expressões que têm nelas, como seu componente essencial, as cores:

Blue (azul)
- Do something until you are blue in the face = fazer alguma coisa se esforçando demais, sem conseguir resultados.
Ex.: "She can argue herself blue in the face that even so, my opinion will keep the same". - Ela pode argumentar até se cansar, mas, mesmo assim, minha opinião continuará a mesma.

- Once in a blue moon = muito raramente.
Ex.: "I meet my relatives once in a blue moon, because we live in different cities". - Encontro meus parentes muito raramente, pois vivemos em cidades diferentes.

- Out of the blue = algo que acontece de repente.
Ex.: "He went down on his knees and proposed to me out of the blue". - Ele se ajoelhou de repente e me pediu em casamento.

- Feel blue = estar triste, deprimido.
Ex.: "There are many people who feel blue at Christmas time". - Há muita gente que fica triste na época do Natal.
http://joerlandioprofessor.blogspot.com/

segunda-feira, 15 de julho de 2013

PONTO E VÍRGULA


1- Separa várias partes do discurso, que têm a mesma importância.
Ex.: “Os pobres dão pelo pão o trabalho; os ricos dão pelo pão a fazenda; os de espíritos generosos dão pelo pão a vida; os de nenhum espírito dão pelo pão a alma…” (VIEIRA)

2- Separa partes de frases que já estão separadas por vírgulas.
Ex.: "Alguns quiseram verão, praia e calor; outros montanhas, frio e cobertor".

3- Separa itens de uma enumeração, exposição de motivos, decreto de lei, etc.
- Ir ao supermercado;
- Pegar as crianças na escola;
- Caminhada na praia;
- Reunião com amigos.

sábado, 13 de julho de 2013

quarta-feira, 10 de julho de 2013

VERSOS LIVRES : REDAÇÃO NO ENEM - 4ª COMPETÊNCIA

VERSOS LIVRES : REDAÇÃO NO ENEM - 4ª COMPETÊNCIA: Hoje falaremos sobre a 4ª competência avaliada na redação do ENEM ( clique aqui para ver todas ) –  “demonstrar conhecimento dos mecanismo...

terça-feira, 9 de julho de 2013

ERROS COMUNS EM INGLÊS

Falsos cogntaos/falsos amigos
Acutally
ErradoI am not working actually. /Eu não estou trabalhando atualmente.
Correto: I am not working at the moment; I´m not working right now; I´m not working for the time being.
Observe: a palavra actually significa "de fato", "na verdade", em inglês. Exemplo:Actually, her name´s Matilda, not Mary./Na verdade, o nome dela é Matilda, não Mary. Quando nos referimos à palavra "atualmente", usamos currently, at the moment, right now etc.

Argument

ErradoShe has a good argument/ Ela tem um bom argumento.
CorretoShe has a good point.
Observe: a palavra argument, em inglês, é geralmente usada para se referir a uma "discussão" ou "bate-boca". Pode ainda ser usada com o sentido de "argumento" ou "justificativa", mas quando se trata de um argumento bem elaborado e complexo. Exemplo: He presented his argument for the new tax before Congress./Ele apresentou seu argumento para o novo imposto perante o Congresso.

Parents

ErradoI have parents in Bahia. / Eu tenho parentes na Bahia.
CorretoI have relatives in Bahia.
Observe: a palavra parents significa "pais" (pai e mãe). Exemplo: Are your parents home?/Seus pais estão em casa? Quando nos referimos a "parentes" ou "familiares", usamos relatives.

Pretend

Errado: I pretend to be a doctor. / Eu pretendo ser médico.
CorretoI intend to be a doctor.
ObserveShe pretended that she was sleeping./Ela fingiu que estava dormindo. Quando nos referimos ao ato de "pretender" ou "ter a intenção de", usamos o verbointend. Exemplo: What do you intend to do?/O que você pretende fazer?

Erros comuns no uso de verbos
Make

ErradoShe made sixteen years old on Friday. / Ela fez dezesseis anos de idade na sexta-feira.
CorretoShe turned sixteen years old on Friday; She turned sixteen on Friday.
Observe: para expressar a ideia de "fazer anos de idade", geralmente usamos o verbo turn. Exemplos: She is turning 12 on August 1st./Ela vai fazer 12 anos no dia 1º de agosto; I turned 40 last month. / Eu fiz 40 anos no mês passado.

Take (1)

Errado: I take 15 minutes to get to work. / Eu levo 15 minutos para chegar ao trabalho.
CorretoIt takes me fifteen minutes to get to work.
Observe: o padrão correto, nesse caso, é it takes me/you/him etc. (10 minutes/one hour) to do something. Veja mais exemplos: It usually takes Alfred one hour to cook dinner./Geralmente leva uma hora para Alfred preparar o jantar; It took us three months to get a new visa./Levamos três meses para conseguir um novo visto.

Take (2)

ErradoIf you come tomorrow, take you boyfriend as well. / Se você vier amanhã, traga o seu namorado também.
Correto: If you come tomorrow, bring your boyfriend as well.
Observe: o verbo take geralmente refere-se ao ato de "levar algo ou alguém a algum lugar". Exemplos: Take these chairs to the kitchen./Leve essas cadeiras para a cozinha;Will you take your children to the park?/Você vai levar seus filhos ao parque? Quando nos referimos ao ato de "trazer algo ou alguém", geralmente usamos o verbobring. Veja alguns exemplos: Can you bring me a glass of water from the kitchen?/Você pode me trazer um copo de água da cozinha?; I brought a pizza home for dinner./Eu trouxe uma pizza para casa para o jantar.

Take (3)

ErradoWait a minute. I´ll take my dictionary. / Espere um minuto. Eu vou pegar o meu dicionário.
CorretoWait a minute. I´ll get my dictionary.
Observe: quando nos referimos ao ato de "pegar algo", geralmente usamos o padrãoget something.

Have

Erradohave 23 years. / Eu tenho 23 anos de idade.
CorretoI´m 23 years old; I´m 23.

Observe: para expressar idade, sempre usamos o verbo be. Veja mais exemplos:Alice is sixteen years old./Alice tem dezesseis anos de idade; I moved to the city when I was 30./Eu me mudei para a cidade quando tinha 30 anos; Michael will be forty in December./Michael vai fazer quarenta anos em dezembro.