segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Quem sou eu?

Não sei por que as pessoas dizem que sou branco, porém de alma negra
Que sou pobre, mas rico, pois estou com Deus
Que sou amigo, porém eles não confiam em mim
Que sou aluno da vida, mas nunca fui à escola
Que sou órfão, porém nunca vi meus pais
Que sou solitário, mas vivo entre as pessoas
Que sou um sem teto, porém durmo onde chego
Que sou velho, mas nunca fui me alistar
Que sou um morto, porém ainda me sinto vivo
Que sou um guerreiro, mas nunca fui a uma guerra, pois só luto contra a fome.


(JSC)

O (a)mar



O homem passeava pelo mar
O homem passeava e admirava o mar
O homem passeava, admirava e cantava para o mar
O homem passeava, admirava, cantava e chorava no mar
O homem passeava, admirava, cantava, chorava no mar de amar...

(JSC)

AMOR ADOLESCENTE - A FILA ANDA

Não, não ficarei aqui te esperando.
O tempo está passando,
Tenho que caminhar.
Te esperar,
 Agora não dá; Há tantas pessoas
Que preciso conhecer,
E, certamente, amar.
Volta, vai para mais longe,
Não tens mais o direito de me tocar,
Perdeste quando não me compreendias
Ou fingias não me entender;
Agora pertenço a mim mesmo.
Chorar, espera que não vais ver!
(JSC)

Minha fatalidade

Minha fatalidade é uma fatalidade de babel,
Onde sofro sombriamente,
Onde os meus olhos fúlgidos queimam.
Por isso sinto-me autômato
Que outrora tinha uma liberdade radiante e
Hoje meu corpo não passa de um pavilhão abandonado
Em uma órbita de um universo sem fim.


(JSC)