quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O PROFESSOR ESTÁ SEMPRE ERRADO


O material escolar mais barato
que existe na praça é o
PROFESSOR!
É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia'.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um 'caxias'.
Precisa faltar, é um 'turista'.
Conversa com os outros professores, está 'malhando' os alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não sabe se impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as chances do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala corretamente, ninguém entende.
Fala a 'língua' do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é reprovado, é perseguição.
O aluno é aprovado, deu 'mole'.

É, o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele!

Detalhe: eu finalizei com um ponto de exclamação. O de interrogação não é culpa minha (rs).
                                                                                                                                Jô Soares

3 comentários:

  1. Ótimo texto! Quase me revi nele, rss
    Bjis Maria betânia (Yahoo)

    ResponderExcluir
  2. NOOOOOOOOOOOSA,
    ADOREI!

    ResponderExcluir
  3. Concordo que sem a professora que me alfabetizou, não estaria lendo isso. Sou muito grata a ela e sempre terei um enorme carinho por ela. Também concordo que é impossível um professor agradar todo mundo. Mas há professores ruins na rede pública, que faltam- os "turistas", que não dão a matéria toda, só o básico. O pior é que professores excelentes, verdadeiros profissionais, ganham o mesmo salário que os "turistas", e ainda são obrigados a ficar em duas salas ao mesmo tempo, para "adiantar" o horário. É revoltante! Digo isso como aluna e também porque já ouvi de uma professora que ouvi dos colegas que, com o salário que eles ganham, não podem passar toda a matéria! Por isso ela saiu da rede pública! Só que quando eles se inscrevem no concurso, já sabem o salário! Então fazem essa distinção: no ensino privado vou dar o melhor de mim, no ensino público vou passar só o básico e faltar quando quiser, ganho pouco mesmo. Ou seja: o pobre é fadado ao ensino ruim e o rico tem todas as oportunidades, além de fazer cursinho, reforço, etc.

    ResponderExcluir